Ògún – O Desbravador – O Ferreiro do Céu


“Ògún alákáyé, Osìn imole, ibà o! ” 

Ogum, senhor do Universo, líder dos Orixás, eu te saudo! 

“Ògún alágbada méjì” 

Ogum, dono de dois facões, 

“Ògún alágbède òrun” 

Ogum, o ferreiro do céu. 

“O fi òkan sán oko – O fi òkan ye’ná”

 Usou um deles para preparar o campo e o outro para abrir caminho.

 “Jásí jàsí Ògún yé pàtàkorí! Ògún yé!”

Saudemos Ogum, o importante que sabe o significado, que briga e discute por nós.

XXXXXXXXXXXXXXXXXX

Relatos e Origem do Orixá Ogum

1ª – Versão Mítica – Obadio, guardião tradicional do templo de Òdùdúwà em Ilé Ifè, narrou para Fábunmi, F. A. em “Ifè: the genesis of Ioruba race” Lagos, J. West. Publications, 1985, que Ògún foi um dos que sobreviveu ao grande dilúvio universal. Oriundo de Ìkòlé-Òrun (A Morada do Céu). Tendo desembarcado ou ancorado em Òkè-Orà (Monte O), entre Ilé-Ifè e Itagun Modi no caminho de Ifè-Ìlésà.

2º – Versão Histórica – Segundo vários escritores, historiadores e historiógrafos, Ògún é o primogênito de Òdùdúwà (Aquele que é grande por si mesmo) e oriundo de Meca, cidade santa da Arábia com Omoníde ou Tabùtú originária do Sudão.

Segundo diversas versões, Ogum partiu em êxodo (emigração) em companhia de seu pai Òdùdúwà em direção à África (Sudão) – Ano 622 d.C. (1450 Ac do Calendário Árabe).

De conformidade com as informações acima encontramos uma frase em ioruba que diz: Òkánkan idà lárúbawá kò si àgbára” (Não há força contra a espada do árabe).

x=x=x=x=x=x=x=x=x=x=x

Nome das cidades que deram origem ao culto a Ogum.

“Ògún Oníré ni gbà àgbò” – Ogum Oníré é aquele que aceita carneiro.

“Ògún Alárá ni gbà aja” – Ogum Alará é quem aceita cachorro.

“Ògún Ikóla ni gbà ìgbín” – Ogum Ikóla é quem aceita caramujo.

“Ògún Elémoná nii gbà esun’su” – Ogum  Elémoná é quem aceita inhame assado.

“Ògún Aki’run ni gbà ìwo àgbò” – Ogum Akirun é quem aceita chifre de carneiro.   

“Ògún Gbénágbéná ni gbà eran awun nii je” – Ogum Gbénágbéná é quem aceita carne de tartaruga.

“Ògún Makinde ti d”ogun lehin odi” –  Ogum Makinde virou a guerra atrás da fronteira.

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s