Òsun – Senhora das Águas Doces.

Mãe do rioOuro de Oxum.Linda Oxum,

“ÕRE YÈYÉ O!”

“Mãezinha benevolente”.

“ÕRE YÈYÉ O! A FIDE RE MO!

“Mãezinha querida! Aquela que enfeita seus filhos com pulseiras de bronze”. 

“KARE O! YÈYÉ O”

“Seja bem vinda mãezinha querida”.

“YÈYÉ O! OLOMI TÚTÙ”

“Mãezinha benevolente, senhora das águas fresca!”

x=x=x=x=x=x=x=x=

ORIGEM – GENITORES

CIDADE ABÉOKUTÁ (ABÉÒKÚTA)

Segundo relatos históricos, Oxum (Òsun) é a filha mais velha de Obàtálá – Senhor dos igbôminas (grupo étnico dos iorubas ìgbómìnàs) e de Ifôn (Ifòn) com Ieiemouô (Yèyémowo). A gestação de Oxum (Òsun) foi conturbada. Ieiemouô (Yèyémowo) não possuía passagem/dilatação necessária para parir. Ao consular o oráculo lhe foi indicado fazer uma oferenda (ebo). Deveria a cada cinco dias dirigir-se ao rio que cortava o reino carregando sobre sua cabeça um pote pintado de calcário (efun), lá chegando deveria enchê-lo com sumo de limeira-da-persia (também chamada de “òsàn wéwé”), uma porção de feijão branco amassado e, temperado com óleo de palma (èkuru), uma pequena quantidade de canjica branca cozida (ègbo), obi e orobô (orógbó). 

A oferenda em questão deveria ser ofertada antes da alvorada e a mesma ao ser deveria ser acompanhada por um grupo de crianças cantando em coro. Conforme foi previsto, no 5º dia Ieiemouô (Yéyèmowo) deu a luz a uma menina. 

Nome de batismo de Oxum (Òsun). “Òsé n’ibú omi” (Oxê nas profundezas das águas). Segundo relatos o nome de Oxum (Òsun) é, pois uma generalização/síntese que afirma que Oxum (Òsun) já era uma divindade ao nascer.

EPÍTETOS DE ÒSUN

Òsun Ojúmo. Òsun Iloba. Òsun Ile-Etepe.  Òsun Jakuepe. Òsun Ojúná. Òsun Igando. Òsun Adobata.

Abaixo os caminhos de Òsun mais conhecidos pelos seguidores do Candomblé Rito Afro brasileiro.

Yèyé Ade-Oko (tida como esposa de Bàbá Oko ou Bàbá Èteko). 

Òsun Ijimú – Tida como a mais velha de todas (Aquela que acorda quando entra nas águas)

Òsun Ipondá – Cultuada na cidade de Ipondá.

Òsun Òpàrà – Cultuada na cidade de Savé Òpàrà.

Òsun Yèyé Oke – Cultuada no alto dos montes – Tida como esposa de Odelékè.

E tantos outros…..

Cor votiva do colar (ìlekè) consagrado à Òsun: Amarela. 

Iguarias – Animais votivos: Galo, galinha, pato, bode, carneiro, feijão fradinho, feijão mulatinho (adocicado), milho vermelho, milho branco, mulukun, inhame, peixe assado e tantas outras iguarias.

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s